A atuação dos leigos na política

Da Internet
O Papa Francisco nos lembrou que a atuação na política por parte dos leigos é uma das mais altas formas de caridade. Mas … como assim?

O leigo católico é convidado a atuar na política por amor. Amor a Deus, a sua pátria, a seus valores cristãos e ao próximo, e não somente em vista do seu bem estar material e social.

São Tomas More, patrono dos políticos e chanceler do Rei Henrique VIII, morreu por não deixar-se corromper. More não abriu mão dos valores católicos que são valores universais, ou seja, não servem “apenas” aos católicos, mas a todos os povos. Ele nos ensina: “O homem não pode se separar de Deus nem a política da moral”.

O mesmo santo disse, ao ser condenado à morte por se manter fiel à Igreja: “Ninguém no seu leito de morte se arrependeu jamais por ter sido católico.”  Tomas More morreu pela fé ao não usar seu cargo político para promover a corrupção e preservar sua vida terrena. Ele foi um cidadão consciente dos seus atos e sabia que grave distorção seria se afirmar católico e, ao mesmo tempo, ignorar a importância de uma vida pública coerente com valores cristãos inegociáveis. Ele não morreu ou lutou por uma ideologia, ele morreu por uma pessoa, por amor a Jesus Cristo e a seu Reino.

Em um ano tão cheio de protestos, manifestações e eleições, não há como ser verdadeiramente católico sem rezar, ocupar mente e coração com o que está acontecendo com nosso país.

política leigos igrejaMuitas vezes nos deixamos tomar pela desesperança e acabamos por repetir a velha sentença “Odeio política”, porque nos sentimos impotentes diante de tanta corrupção. Entretanto, somos filhos do Deus do Impossível, somos marcados pela Paz, somos cidadãos do Céu e queremos que a vida nesta Terra seja, para todos, vida em abundância como nos disse Jesus. Abundância, principalmente e essencialmente, da Graça, da fé, da dignidade humana restaurada ao se reconciliar com o Criador e, por consequência, com as criaturas.

O outro é irmão e é cidadão! E queremos um país onde reine a Paz não por amor a uma ideologia ou pensamento, mas por Amor a uma pessoa que conhecemos, descobrimos e que causou a maior de todas as revoluções no mundo, a revolução da Cruz, do Amor, do abaixamento. O poder que transformou e transforma todas as coisas é do Amor de Cruz e Ressurreição que Jesus nos oferece para com o coração convertido ao Evangelho anunciar a Paz em todas as instâncias da sociedade. Dentro das Igrejas, das Assembléias Legislativas, do Congresso Nacional e aonde Nosso Senhor quiser nos enviar.

Você sabia que ano passado quase foi aprovada uma proposta de lei que poderia tirar a liberdade de pais católicos de educar livremente e segundo sua fé seus filhos? Você sabia que esta proposta não passou graças a muitas orações e ações de cristãos no Congresso Nacional? Você sabia que o PNE (Plano Nacional de Educação), que está sendo votado pelo Senado propunha o ensino da Ideologia do Gênero em todas as escolas brasileiras? O próprio site do Senado noticiou que o “Alô Senado” ficou congestionado por ligações de cidadãos, a maioria que se manifestavam contra a PL 122, a chamada “Lei da Mordaça Gay” e contra o PNE.

De forma geral sabemos opinar muito e detectar os problemas de maneira magistral. Mas, e as soluções, e as respostas para estes males? Que fonte segura buscar? A resposta deveria ser óbvia e clara, entretanto não é. Mas, temos sim uma fonte de documentos segura e iluminada pelo próprio Criador das estruturas humanas: a Doutrina Social da Igreja, as encíclicas relacionadas às questões sociais da humanidade e muito mais.  Será que conhecemos a Doutrina Social da Igreja? Será que sabemos que está à nossa disposição um grande tesouro de sabedoria semeado, fecundado e frutificado durante mais de dois mil anos? Precisamos urgentemente, estudar este material para em espírito de diálogo com Deus, permitir que a Verdade molde nossas mentalidades segundo o Evangelho de Cristo e nos ofereça, assim, respostas preciosas e eficazes.

Por fim, não podemos nos esquecer de que neste ano de eleições e manifestações, devemos usar as nossas armas mais poderosas contra a corrupção e a favor da Paz: o terço, a Eucaristia e a proclamação da Verdade na caridade. Contemos também com a intercessão de Nossa Senhora de Guadalupe e consagremos, sem cessar, toda a América Latina à poderosa intercessão de Sua Mãe e Padroeira.

Por Hannele Araújo