Não se separa o sujeito do Verbo


Na gramática, a regra é clara: não se pode separar o sujeito do verbo em uma oração. A frase "João, é o discípulo amado" está errada porque o sujeito está separado do verbo por vírgula. O correto seria: "João é o discípulo amado", sem vírgula.

Na vida espiritual, podemos dizer, acontece algo semelhante. Nós somos os sujeitos orantes que não devem ser separados do Verbo que é Deus. É Ele quem nos liga aos nossos predicados, ou seja, a tudo aquilo que desde e para sempre somos chamados a viver. É o Verbo quem nos revela a nossa essência. Na oração, nós podemos até ser o sujeito orante, mas a ação sempre estará no Verbo.

Assim como na gramática, precisamos estar atentos para que vírgulas não nos apartem daquilo que para nós é fundamental: a união com o Verbo. Somente nessa união poderemos ter uma oração completa, perfeita.